Eva, a árvore e o Adão

[Instruções de leitura: onde se lê Eva, leia-se Terra, onde se lê Adão, leia-se humano.]


Muito tempo depois de ter sido expulsa do paraíso, já coberta por roupas e ideias, Eva, com seu milésimo bebê no colo, olhando pela janela da lavanderia de seu apertado apartamento, viu, em meio a cidade cinzenta, uma macieira que, teimando em não esquecer da primavera, colocou seu vestido de flor.


A árvore sempre esteve ali. Mas Eva, mais cansada do que nunca, perdeu seus olhos naquela imagem, tentando fugir da miséria da vida pela beleza dos detalhes e, como quem olha para um espelho, enxergou o que, pelo costume, fingia não ver.


Bebê para cuidar, filhos para buscar, e-mails para responder, comida para fazer. Mas o coração de Eva, inquieto, esperava o fim do dia e a chegada de Adão, para fazer a pergunta que a árvore, dentro dela, havia feito brotar:


- Olá querida, cheguei.