Vocês costumavam ser mais longos

Acordo às 3h da madrugada para fechar a porta da cozinha que abriu trazendo uma forte corrente de ar. Dou de cara com ele sentado no chão, sinto um arrepio frio nas costas, já o conheço, foi ele que me guiou pelos fortes ensinamentos nas montanhas do Peru.


Pergunto o que faz tão longe de casa e porque decidiu vir me ver. Ele me olha, solta fumaça do cachimbo e responde lentamente:


- Vocês costumavam ser mais longos.


Sento-me ao lado dele. Já sei que precisarei escutá-lo atentamente para entender. Ele continua, de fala arrastada e cachimbo na mão:


- Vocês estão curtos, com pouca duração. Estão fazendo mil coisas, porém, apenas por segundos, sem continuidade. Desconexos.


Eu explico a ele que esse é o mundo moderno. Conectado e rápido. Que tem muita coisa acontecendo, muita opção e a gente não quer perder. Ele, bom ouvinte, balança a cabeça e me pergunta:


- Mas e Deus? Como é que fica?


Estou acostumada a não entender o que ele diz, mas dessa vez chego a pensar que ele está enlouquecendo e digo:


- O que Deus tem a ver com essa conversa?


- Ele está em todas as coisas. Nas pequenas e nas grandes. Mas é profundo, leva tempo para ser compreendido.


- Mas agora que estamos conhecendo muitas coisas, podemos ver mais parte de Deus, não acha?


- Quando se vê muita superfície e pouco conteúdo, fica-se como um inseto batendo no vidro, sem conseguir entrar.


Eu faço silêncio. Uma parte de mim entendeu, a outra não. Me sinto curta. Me sinto inseto, sem conseguir entrar.


10 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Era uma vez a árvore da vida. Quem chegava perto dela, sentia vontade de subir. No topo havia um trono, maravilhoso, com certeza o trono ...