Sou colocada diante de uma mulher

Sou colocada diante de uma mulher, minha mãe. A instrução é que eu encontre o amor que me falta dentro dela, se eu não conseguir, devo puxar o fio vermelho colocado em minhas mãos. Fácil, afinal, ela é minha mãe. Porém, atrás dela um filme começa a rodar. Fatos e escolhas de sua vida pessoal que eu não esperava e nunca imaginei, são apresentados. Também pudera, a trajetória dela não começou quando eu nasci. O filme termina e eu estou em choque, distanciada, fracassei.


Ela é substituída pela minha avó. A instrução é a mesma, encontrar o amor que me falta dentro dela. Vai ser mais fácil, concluo. Quando eu nasci, ela já era uma velha senhora. Porém, uma história ainda mais desconhecida e estranha se desenrola na tela, eu termino pior do que antes, sem a mínima condição de encontrar conexão com algo tão longe de ser familiar. Para falar a verdade, me sinto traída, ela não se comportou em sua vida com acho que deveria.


Minha avó é retirada, a bisa é colocada. A busca pelo amor se torna algo cada vez mais impossível, a cada substituição que se segue, me identifico menos com pensamentos, escolhas e decisões dessas minhas ancestrais. Como elas puderam aceitar tantas coisas que eu jamais aceitaria? Estou a ponto de desistir. De repente, ouço uma música que me lembra a infância e na tela vejo a minha própria história aparecer, sinto alívio, algo familiar. Mas a imagem falha, a vida, por falta de amor se desocupa de mim e eu, não consigo mais respirar.


Desesperada, penso nas mulheres que vi e insistentemente procuro nelas a mim mesma para encontrar amor. Dá maneira que tento, não funciona. Quase sem vida, puxo o fio. Na tela, surge o oceano, lugar onde a vida começou, e o ar que retorna para dentro de mim, traz a sabedoria que abandonei:


- O amor que te falta não vem pelo julgamento que você faz daquelas que vieram antes de você, mas no reconhecimento de que foi através delas que o fio da vida se esticou para te dar a possibilidade de existir. É preciso cuidar delas com o coração, pois tempos passados trazem dificuldades que você não pode imaginar.


Esquecê-las é destruir a si mesma, desrespeitá-las é fazer a vida, que te atravessa, se interromper.



13 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Já faz um tempo, mas eu me lembro muito bem. Ele chegou e me conquistou. Eu, olhos ingênuos de não saber, não enxerguei os sinais de ...

Na noite passada minha avó veio me visitar. Ela costumava fazer crochê na frente da televisão. Morreu há muito tempo, quando eu ainda ...

[Instruções de leitura: onde se lê Eva, leia-se Terra, onde se lê Adão, leia-se humano.]