Era uma vez um decorador

Era uma vez um decorador que passou anos e anos trabalhando e gastando todo o dinheiro que tinha na decoração da sua própria casa. Cada cantinho, cada cômodo, cada detalhe representava um pedacinho do que ele era, demostrando seu talento e personalidade.


As pessoas o visitavam e não poupavam elogios. Cada vez, mais e mais, ele sentia orgulho de ter estampado a sua volta a beleza que trazia dentro de si.


Porém, chegou um determinado momento, que ele, apaixonado pela própria construção, não se sentia confortável em mais nenhum lugar fora dela. Ao pisar na rua odiava as cores e a disposição dos objetos no mundo achando-os horrorosos e de mau gosto.


No primeiro momento ele se isolou, ficando apenas em casa, cômodo e confortável. Negava convites de amigos, de familiares e só aceitava encontros quando eram dentro de seu paraíso chamado LAR.


Mas isso se tornou um problema, ele acabou perdendo muitas relações, começou a sentir-se sozinho e desse sofrimento surgiu uma ideia: para ficar confortável no mundo, começaria a decorá-lo também, do jeito que ele achava que deveria ser.


Começou pela casa dos familiares, aos poucos se ofereceu para ajeitar a casa dos amigos e isso se tornou um vício, de noite, saía pelas ruas pintando e organizando tudo a sua maneira, ao seu estilo, para que todos pudessem se sentir bem.


Tudo começou a ficar igual. As pessoas começaram a se incomodar dizendo:


- Sua casa é bonita, mas isso não quer dizer que gostaríamos de viver dentro dela. Você pode sugerir que nos inspiremos em você, mas não pode obrigar-nos a viver dentro das suas projeções.


Ele não dava ouvidos. Sua casa era referência de conforto e beleza, se as pessoas não gostavam, logicamente é porque tinham mau gosto. Então, ele seguia pintando o mundo com suas cores pessoais sem pedir permissão.


Essa história, não podia acabar bem. Um certo dia, quando já havia se tornado insuportável essa mania de organizar o mundo a sua maneira, alguém o matou.

Em sua lápide, outro alguém escreveu:


"Morto. Sufocado dentro de um único cômodo.

Seu próprio EU."



13 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Recomendação de leitura: o intuito desse texto é movimentar lugares não óbvios, incomuns dentro de nós, por isso, depois de ler feche ...

Algumas vezes minha tartaruga some, outras vezes, com o casco aberto, morre. As variáveis são essas, mas desde março desse ano não ...

Preparo-me para adentrar a noite com gentileza. Como sei que ela está chegando? Pelas cores do céu. Pois o sol todo dia antes de ...