Era uma vez um decorador

Era uma vez um decorador que passou anos e anos trabalhando e gastando todo o dinheiro que tinha na decoração da sua própria casa. Cada cantinho, cada cômodo, cada detalhe representava um pedacinho do que ele era, demostrando seu talento e personalidade.


As pessoas o visitavam e não poupavam elogios. Cada vez, mais e mais, ele sentia orgulho de ter estampado a sua volta a beleza que trazia dentro de si.


Porém, chegou um determinado momento, que ele, apaixonado pela própria construção, não se sentia confortável em mais nenhum lugar fora dela. Ao pisar na rua odiava as cores e a disposição dos objetos no mundo achando-os horrorosos e de mau gosto.


No primeiro momento ele se isolou, ficando apenas em casa, cômodo e confortável. Negava convites de amigos, de familiares e só aceitava encontros quando eram dentro de seu paraíso chamado LAR.


Mas isso se tornou um problema, ele acabou perdendo muitas relações, começou a sentir-se sozinho e desse sofrimento surgiu uma ideia: para ficar confortável no mundo, começaria a decorá-lo também, do jeito que ele achava que deveria ser.